Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Ineficiência petista prejudica servidor

Sem iniciativas para equilibrar as contas públicas e mantendo regalias para os apadrinhados, o governo de Fernando Pimentel, do PT, permanece acima do limite máximo para gastos com pessoal previsto pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Com isso, novos concursos, contratações e reajustes salariais ficam suspensos por prazo indeterminado. Os servidores têm sido penalizados também pelos atrasos e parcelamento do salário em até três vezes.

De acordo com o relatório fiscal divulgado pelo Diário Oficial de Minas Gerais no dia 27 de maio, as despesas com a folha de pagamento do Executivo ficaram em 49,10% – 0,10 ponto percentual acima do limite máximo (49%) da receita corrente líquida, e ainda longe do limite prudencial, que é de 46,55%. De janeiro a abril deste ano, o governo teve um gasto total de R$ 26,9 bilhões em despesa com pessoal, enquanto a receita corrente líquida ficou em R$ 54,9 bilhões.

Publicado em 30 de maio de 2017