Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

O que o PT está fazendo no governo de Minas

Desrespeito aos Servidores

  1. Governo do PT vai acabar com o Prêmio por Produtividade
  2. Em seis meses, três ameaças de atrasar salários dos servidores
  3. Servidores ficam sem reajuste de 4,62%

1Governo do PT vai acabar com o Prêmio por Produtividade

Os servidores do Estado de Minas Gerais ficarão sem o Prêmio por Produtividade. Em 2015, as metas do Acordo de Resultados não foram pactuadas e o secretário de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães, já avisou, por meio da imprensa, que o governo não vai pagar nos bônus referentes às metas pactuadas em 2013 e 2014.

O anúncio do secretário de acabar com o Prêmio e não honrar com o pagamento dos bônus pago aos servidores públicos mineiros pelo cumprimento de metas e resultados na prestação dos serviços públicos foi criticado pelos deputados do bloco Verdade e Coerência.

Desde que foi criado, na gestão do governador Aécio Neves, o Prêmio por Produtividade já pagou mais de R$ 2,4 bilhões e foi reconhecido pelo Banco Mundial como uma das melhores práticas de gestão do mundo. Em 2014, o governo investiu R$ 570 milhões para pagar o bônus referente às metas cumpridas em 2012. O pagamento vinha sendo feito com interstício de dois anos.

O conjunto de medidas de gestão do governo mineiro, conhecido como Acordo de Resultados, foi marcado por metas audaciosas e contribuiu, por exemplo, para fazer com que Minas tivesse a melhor educação no Ensino Fundamental, de acordo com o Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (Ideb 2013) e a melhor saúde do Sudeste, segundo a avaliação do Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde 2012 (IDSUS), último ano de apuração.

Durante a campanha, o governador Fernando Pimentel garantiu que o Prêmio por Produtividade seria mantido.

Publicado em 3 de setembro de 2015

2Em seis meses, três ameaças de atrasar salários dos servidores

A primeira ameaça de atraso dos salários do funcionalismo público foi em janeiro, quando, de forma irresponsável, o secretário de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães, afirmou que o governo anterior não havia deixado dinheiro em caixa para quitar a folha de pessoal de dezembro, paga em janeiro.

Na época, o pagamento somente foi realizado em dia depois que os deputados desmontaram a farsa e apresentaram os extratos das contas do Executivo com saldo positivo em caixa deixado pela administração anterior.

No dia 15 de junho, o secretário de Fazenda, José Afonso Bicalho, anunciou o risco de atraso nos pagamentos dos servidores. Em audiência pública na Assembleia, ele confirmou ainda que, entre junho e julho, o estado deve ultrapassar o limite prudencial de gastos com pessoal.

No final de junho, ao enviar o “PL do confisco”, o governo voltou a ameaçar o pagamento de servidores.

Em 2003, o governo de Minas acabou com a escala de pagamento que prejudicava os servidores e passou a pagar no quinto dia útil do mês. Durante 12 anos, até 2014, o salário dos servidores foi honrado pelo governo rigorosamente em dia, assim como o 13º salário.

Publicado em 25 de junho de 2015

3Servidores ficam sem reajuste de 4,62%

InfoO governador Fernando Pimentel suspendeu o reajuste de 4,62% para o funcionalismo encaminhado pelo ex-governador Alberto Pinto Coelho para a Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Pimentel orientou sua base na Assembleia a não deixar o projeto ser aprovado.

Publicado em 26 de maio de 2015